Despertar vocação e contornar obstáculos

0 83

Os jovens precisam de perseguir, despertar a sua vocação e contornar obstáculos, só assim é possível inserir-se no actual contexto de negócios em Moçambique. Este conselho é de Maguivelani Simão, jovem empresário da área da logística e transporte de carga, com cerca de 80 camiões, em entrevista à revista “Negócios”.

Como se define e quando nasce a veia empreendedora?

Sou jovem moçambicano e considero-me sonhador nato, pela vontade de ser alguém e fazer algo de que me possa orgulhar no futuro, tornando-me numa marca ou uma referência. Mas também caracterizo-me pelo desejo de participar na diferença do meio onde estou inserido. Acredito que é sempre possível melhorar e alcançar o que desejamos, com esforço, capacidade e criatividade, que são atributos típicos dos jovens moçambicanos, e não difiro tanto da amostra.

Durante muito tempo, ser empresário foi algo para pessoas mais velhas. Quando é que começa o boom de jovens empresários em Moçambique?

Seria arriscado demarcar, com propriedade e exactidão, o momento da explosão ou do boom de jovens empresários em Moçambique, porque é preciso fazer constar que sempre houve jovens a empreender em todos os cantos do país, embora não sejam destacados e não haja referência a eles.

Posso ousar indicar alguns factores que foram significativos nesse processo de exposição do empreendedorismo jovem. O primeiro dá-se quando a palavra empreendedorismo passa a constar dos discursos e dos processos governativos, a partir de 2005, e com isso surgem fundos governamentais para o desenvolvimento local, como o FDD, PERPU, o FAIJ… como uma primeira experiência em que os recursos são descentralizados. Outro factor a mencionar é a abertura do sistema de educação, que passa a incluir matérias sobre o empreendedorismo, e a massificação de cursos técnicos nas mais diversas áreas do saber fazer.

Como olha para o empresariado juvenil moçambicano? Qual é o perfil ideal de um bom jovem empresário?

Na minha humilde opinião, ainda é complicado falar de um empresariado juvenil de facto. Isto pela forma como olho para a juventude moçambicana no seu todo e nas dificuldades que ela enfrenta para fazer face às suas necessidades básicas e, pior ainda, aceder às oportunidades, contrariamente aos casos de sucesso isolados, em que houve o mínimo de condições criadas para que a veia empreendedora/criativa pudesse florescer.

Falo de jovens empreendedores e não empresários, numa perspectiva em que se trata de um processo evolutivo e que leva tempo. Quanto ao perfil ideal de um bom jovem empresário, acho que a maior virtude é a humildade.

O jovem moçambicano reclama acesso ao crédito bancário para iniciar o seu negócio. Como jovem empresário, que conselho dá para ultrapassar essa barreira?

O acesso ao crédito também é generalizado, e sou da opinião que qualquer proposta de solução não seria eficaz se direccionada apenas a uma das partes. Aos jovens, aconselho que se associem. O associativismo juvenil é uma ferramenta importante para dar voz e corpo aos nossos anseios.

Eu próprio dedico-me bastante ao associativismo, e faço-o desde sempre. A título de exemplo, sou vice-presidente da Associação de Pequenas e Médias Empresas (APME), com 480 associados, que constituem uma rede de apoio mútuo, onde se pode pensar em estratégias e exercer uma maior advocacia em prol de um ambiente de negócios favorável às PME, e defendo que tudo se prende com o maior consumidor e por alguma razão o que deve impulsionar a economia num país em vias de desenvolvimento e com uma população sem capacidade de aceder aos bens e serviços.

A economia de Moçambique é caracterizada por centralizar os negócios das PME no governo, como seu cliente-âncora. Em momentos de crise como este, qual é a saída estratégica para os jovens empresários manterem os seus negócios activos sem contar com o cliente-governo?

É impossível desvincular o cliente-governo das PME, e é sabido que a economia de um país é construída na base de pequenas e médias empresas, embora em Moçambique sejam pouquíssimas, se é que existem, PME de jovens que prestem serviços ao governo.

Logo, é importante criar-se uma abertura e políticas de apoio e suporte e condições para a procura ou demanda, criando políticas de defesa e incentivo às empresas de jovens, com acompanhamento ou ainda empresas de jovens com participação do Estado nos primeiros anos de implementação, para assegurar a viabilidade. Só assim as empresas de jovens poderão solidificar-se e atingir os padrões exigidos, a ponto de poderem concorrer.

Olhando para as potencialidades do mercado moçambicano na sua generalidade, se alguém lhe perguntasse qual é a melhor aposta para investir em pequeno negócio, o que aconselharia a fazer?

O empreendedor nasce de um contexto no qual ele próprio identifica um problema ou uma necessidade a que ele pode ou tenta responder, vocação e virtudes próprias. Aliado a isto, Moçambique é muito plural e contempla várias realidades, pelo que fica difícil aconselhar onde qualquer um poderá investir, com a agravante da conjuntura económica estar como está.

O que falta à maioria dos jovens empresários que abraçam negócios e depois desistem?

As perguntas desta revista são sempre assim, comprometedoras (risos)? Bem, é preciso ter em mente que, em cada 10 empreendedores, nove falham. O importante é continuar a jornada de ir falhando constantemente até atingir o ponto em que cada erro foi um aprendizado e cada obstáculo foi contornado sem necessariamente removê-lo. De certo modo, uma forma ou sistema organizado poderá dar mais vantagens num contexto em que individualmente, sem recursos, se torna cada vez mais difícil superar as dificuldades.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com