Projeto Coral Sul FLNG encontra-se dentro do cronograma 

0 56

- Publicidades -


O Instituto Nacional do Petróleo de Moçambique (INP), o órgão regulador das operações de petróleo e gás, está confiante de que a construção e instalação da unidade de gás natural liquefeito flutuante (FLNG) do Coral do Sul estão avançando de acordo com o calendário acordado, sem atrasos significativos.


Em entrevista coletiva em Maputo na quarta-feira, o presidente do INP, Carlos Zacarias, disse que a construção da unidade FLNG nos estaleiros sul-coreanos já está 73% concluída.


No mês passado, a unidade de geração de energia foi levantada a bordo do casco da unidade FLNG. Isso marcou o início da integração entre o casco, lançado em janeiro, e o enorme lado superior (12 módulos de processo de cerca de 70.000 toneladas), ambos atualmente em construção na Correia do SUL.


O trabalho na Correia do Sul e em outras partes da cadeia de suprimentos espalhadas por todo o mundo será concluído em 2021, disse Zacarias, e uma vez que todos os módulos tenham sido fixados no casco, toda a unidade poderá ser rebocada através do Oceano Índico para Moçambique.


“A plataforma Coral Sul deve ser transportada para as águas de Moçambique, para que, em 2022, a produção de gás natural e sua liquefação possam começar”, acrescentou. Em princípio, não haverá demora no fornecimento de GNL aos mercados importadores.


O consórcio Coral FLNG é liderado pela empresa italiana de energia ENI, operadora da Área Quatro da Bacia do Rovuma, com uma participação de 25%. Os parceiros da ENI na Área Quatro são a ExxonMobil dos Estados Unidos (25%), a China National Petroleum Corporation (20%), Kogas da Correia do Sul (10%), Galp de Portugal (10%) e Moçambique próprio Companhia Nacional de Hidrocarbonetos, ENH (10%).


Entretanto, um projeto de GNL muito maior, também baseado em campos de gás na Área Quatro foi adiado. Zacarias confirmou que a Decisão Final de Investimento (FID) do projeto, liderada pela ExxonMobil e que prevê usinas de GNL em terra, foi adiada deste ano para 2021.


“Devido a uma combinação de fatores, incluindo a queda do preço do petróleo no mercado mundial e os efeitos da pandemia de Covid-19, a decisão final de investimento foi adiada”, disse ele, embora não tenha dúvidas de que a decisão será eventualmente tomada.


O terceiro projeto de GNL da Bacia do Rovuma é baseado em descobertas de gás na Área 1, mais perto da costa, e o operador é a empresa francesa de petróleo e gás Total.


Este projeto teve problemas porque o campo de trabalho da Total, na Península de Afungi, no distrito de Cabo Delgado, em Palma, foi palco de um grande surto de Covid-19. 


“Acreditamos que a situação está sob controle”, disse Zacarias, “e por isso redesenhamos o início de algumas atividades. O campo foi descontaminado e as pessoas infectadas cumpriram todas as diretrizes para o isolamento necessário que precisavam seguir ”.


Ele acreditava que algumas atividades no campo serão relançadas em breve: embora as empresas que prestam serviços ao campo e todos os que trabalham nele devam observar os procedimentos necessários de saúde, segurança e meio ambiente.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.