Portos de Moçambique e Angola podem impulsionar resposta regional à pandemia de Covid-19

0 54

- Publicidades -


A diretora regional do Programa Mundial de Alimentos (PMA) para a África Austral e o Oceano Índico, Lola Castro, diz que portos em Moçambique e Angola podem ajudar a aliviar o impacto da nova pandemia de coronavírus na África Austral.


Em um vídeo feito para a ONU News, Castro explica como as operações devem ser adaptadas para responder à crise do Covid-19 na região.


“A operação da África Austral neste momento é dedicada a alimentar as pessoas afetadas pela seca e ajudar as pessoas afetadas pelos ciclones que atingiram Moçambique no ano passado. Agora, por causa do Covid-19, precisamos trabalhar de maneira diferente. Quando o Covid-19 chegar à região, afetará precisamente as pessoas que são vítimas de insegurança alimentar nas áreas rurais e urbanas ”, diz Castro.


A transmissão do vírus força a atenção em vários grupos, incluindo pacientes com outras doenças. Mas muitos foram forçados a mudar suas áreas de origem ou estão passando fome por causa do aumento dos preços dos alimentos, da perda de gado e do aumento do desemprego.


“Especialmente, vemos em Angola como os refugiados no norte do país têm problemas para voltar para casa na República Democrática do Congo. Portanto, o Covid-19 está afetando países da região, como Moçambique e Angola, em grande escala. ”


A agência tem apoiado milhões de famílias em toda a região, onde muitas tem o número de refeições diárias reduzidas, se endividam mais.


O PMA solicitou recentemente apoio financeiro adicional para serviços essenciais em áreas como transporte, armazenamento e engenharia em áreas afetadas pela pandemia.


Técnicos da agência realizam operações de rastreamento de carga, armazenam serviços e prestam serviços de manutenção em toda a África, em colaboração com o Centro Africano de Controle e Prevenção de Doenças. Mas os dois países de língua portuguesa têm um papel determinante na área.


“No momento, estamos mudando nossos modos de distribuição. Normalmente distribuímos comida para grandes grupos, mas agora temos que ter pequenos grupos de pessoas. Também precisamos de proteção para as ONGs e os funcionários do PAM que trabalham na distribuição. Também é muito importante manter as portas abertas. Portos como Luanda, em Angola, e Maputo e Beira, em Moçambique, são muito importantes para toda a região da África Austral. ”


Para o Programa Mundial de Alimentos, o Covid-19 é uma nova ameaça e alterou as atividades em uma área em que 16 países começaram o ano com um recorde de 45 milhões de pessoas enfrentando insegurança alimentar.


Além da sua resposta ao Covid-19, o PAM apoia vítimas de secas, inundações e questões econômicas recorrentes que afetam principalmente mulheres e crianças na Comunidade de Desenvolvimento da África Austral.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.