Fórum de Empreendedorismo Juvenil apura 20 projectos  

255

- Publicidades -

Vinte projectos de empreendedorismo social e solidário foram apurados há dias no Fórum de Empreendedorismo Juvenil, organizado pela Universidade Licungo, com apoio técnico da Embaixada da França.

No concurso, que decorria sob o lema “Empreender e Responder aos Desafios Sociais e Climáticos através da Economia Social e Solidária”, concorriam 40 jovens provenientes dos distritos de Dondo, Beira e Nhamatanda.

Falando na cerimónia de encerramento do Fórum, o reitor da Universidade Licungo, Boaventura Aleixo, disse que a fase subsequente será o acompanhamento da execução dos projectos aprovados, com uma incubação num período de três a seis meses e apoio técnico prestado por incubadoras firmadas no mercado moçambicano, citado pelo Noticias.

“Tivemos projectos, por exemplo, nas áreas de gestão de resíduos sólidos, produção de aves, conservação de frutas, apoio social a pessoas com deficiência, entre outros”, mencionou.

Na ocasião, o gestor desta unidade de ensino superior instou os jovens vencedores a serem perseverantes, tendo de resíduos sólidos, produção em conta que todos têm sonhos e ideias de negócios.

“Não está escrito que vão ter sucesso. O sucesso virá da vossa perseverança e da forma como vocês irão dedicar-se ao que querem fazer. Saibam que sem persistência não se consegue nada. Não desanimem no primeiro fracasso. O mundo do empresariado é agressivo”, avisou Boaventura Aleixo.

Exortou os jovens seleccionados a terem foco naquilo que vão fazer, de modo a lograrem o sucesso que almejam para as suas carreiras profissionais ou projectos para a geração de auto-emprego.

Por outro lado, reiterou o apelo para aproveitarem a sua juventude e demonstrarem dinamismo, visto que têm de uma responsabilidade acrescida no que concerne ao desenvolvimento do país.

Por seu turno, o vereador para a área de Juventude e Desporto no Conselho Municipal da Beira, Manuel Mussanema, enfatizou a necessidade de serem humildes, apesar do grau de conhecimento que detêm.

“Foram apurados, mas isso não quer dizer que os outros foram menos bons. Havia 20 vagas que vocês ocuparam. Vejam isso como um prémio, mas também sinal de que devem trabalhar para que outros jovens tenham iguais oportunidades”, rematou Mussanema.