Cereais vão estar no topo da agenda da cimeira Rússia-África

165

- Publicidades -

A consultora Oxford Economics considera que o tema do fornecimento de cereais da Rússia e da Ucrânia ao continente africano será um dos principais temas em debate na cimeira Rússia-África, na próxima quinta e sexta-feira.

“O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, poderá ter um gesto de boa vontade relativamente à ajuda alimentar à região do Corno de África e acalmar os nervos dos líderes africanos, e as garantias de exportações alimentares russas para países como o Egipto ou a Argélia são também uma possibilidade”, escrevem os analistas num comentário à futura cimeira entre a Rússia e os países africanos, marcada para 27 e 28 de Julho, em São Petersburgo.

“Podemos esperar que os preços alimentares sejam um dos principais temas em debate”, apontam os analistas, na nota enviada aos clientes e a que a Lusa teve acesso, e que surge poucos dias depois da suspensão do acordo de exportação de cereais pelo Mar Negro.

“A nossa análise sugere que a Iniciativa dos Cereais do Mar Negro teve um papel menos importante no fornecimento de alimentos para os países africanos do que para o resto do mundo”, apontam os analistas, vincando, ainda assim, que “uma suspensão prolongada desse acordo pode perturbar os mercados financeiros de matérias primas e aumentar os preços”, o que afectaria ainda mais os países africanos, a braços com uma subida generalizada da inflação num contexto em que o estado das finanças públicas da maioria dos países não permite grandes medidas de compensação para a população.

Citados pela Lusa, os analistas da Oxford Economics escrevem ainda, que “apesar de a inflação estar a abrandar na maioria dos países africanos, não vimos realmente uma deflação, ou seja, uma descida dos preços, por isso as famílias continuam sob pressão devido à crise do aumento do custo de vida, pelo que outro aumento da inflação iria apenas piorar a situação das famílias, que já está pior do que há uns anos atrás”.

“A isto junta-se o aumento da dívida pública e dos custos de financiamento dos governos, o que significa que os países africanos têm menos margem orçamental para, desta vez, aumentar o apoio social às famílias”, conclui esta consultora.

Recorde-se que, na segunda-feira, a Rússia anunciou que iria suspender o acordo de exportação de cereais pelo Mar Negro a partir de portos ucranianos, argumentando que os compromissos assumidos em relação à parte russa não foram cumpridos.